Guaritas irregulares geram riscos em presídios de Ji-Paraná, denuncia Singeperon

 

 

Novas guaritas estão sendo construídas nas unidades prisionais de Ji-Paraná. No entanto, as torres de vigia que deveriam ser referências de segurança, estão sendo motivos de preocupação. O Sindicato dos Agentes Penitenciários de Rondônia (Singeperon), por meio de sua assessoria jurídica, requereu, nesta segunda-feira (24), providências à Vara de Execuções Penais da Comarca sobre guaritas em condições desumanas e perigosas.

 

O governo estadual está construindo quatro guaritas de madeiras na Colônia Agrícola de Ji-Paraná, local de trabalho de presos dos regimes semiaberto e fechado, e que, segundo o Singeperon, estão sendo edificadas “de forma irregular”, “sem nenhum projeto e com material totalmente inadequado”. No Pedido de Providências destinado ao juiz da Vara de Execuções, o presidente do Singeperon, Sidney Andrade, registra que “as guaritas não possuem as mínimas condições de habitabilidade e segurança”.

 

O Singeperon ainda recebeu denúncia que o gerente Regional da Secretaria  de  Estado  da  Justiça  (Sejus)  ordenou a construção com sobras de madeiras que se encontravam na unidade prisional.  

 

Não obstante isso, uma das guaritas fica próximo a uma via pública, acarretando risco aos servidores. O diretor social do Singeperon, Ronaldo Rocha, que visitou a Colônia Agrícola juntamente com o presidente da entidade, explica que, “para o agente se posicionar e obter visibilidade para vigiar o local onde os apenados trabalham, acaba ficando de costas para a rua, numa posição de extrema vulnerabilidade diante de eventuais ataques de criminosos”.

 

DELIBERAÇÃO EQUIVOCADA

 

Outra situação diz respeito à guarita que foi construída entre o Presídio Regional Dr. Agenor Martins de Carvalho (regime fechado) e o Presídio Semiaberto, ambos localizados na cidade de Ji-Paraná. Ocorre que a Sejus  está anunciando verbalmente que a mesma deverá ser utilizada pelos servidores do Presídio Semiaberto. No entanto, no entendimento do Sindicato, tal deliberação é equivocada.

 

O Singeperon observa que, “embora a torre   vigia  possa  ser  acessada  por  ambos  os  presídios,  a  sua  visibilidade  para  o  Presídio Regional   (regime  fechado)  é   muito   maior”. “Aliado a isso, não é aceitável determinar a um servidor lotado em certo órgão (unidade prisional) que responda pela vigilância de outro”, destaca o Sindicato. 

 

PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS

 

Visando melhor entender os fatos e subsidiar o pleito, o advogado sindical Gabriel Tomasete visitou as unidades e dialogou com os servidores. Tomasete explica que o pedido de providências tem fundamento na Lei de Execuções Penais, já que compete ao Juiz da execução inspecionar os estabelecimentos penais, tomando providências para o adequado funcionamento.

 

“No pedido judicial, o Singeperon requereu que, após análise nos locais, seja determinada a paralisação das obras irregulares de construção de guaritas’  na  Colônia  Agrícola,  determinando  também que os servidores não sejam obrigados a usa-las nessas condições desumanas e perigosas”, destacou o advogado.

 

Tomasete  informou ainda que outro pedido da entidade foi para que seja determinado que a guarita localizada entre as duas unidades venha ser utilizada em prol do Presídio Regional   (regime  fechado), disponibilizando somente servidores do seu quadro para tal função; “ou que seja agendada audiência para buscar  a  solução  mais  adequada  ao  caso,  com  a  participação  dos servidores plantonistas das duas unidades, já que são eles que conhecem as especificidades ora relatadas”.

 

Imprensa Singeperon

 

MENSAGEM RÁPIDA

2013 -SINGEPERON - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS